ONSTAGE - Official Website - All Rights Reserved 2017
Website by Joao Duarte - J.Duarte Design - www.jduartedesign.com

Slash Featuring Myles Kennedy And The Conspirators ::: 25/05/19 ::: Espaço Das Américas
Postado em 04 de junho de 2019 @ 21:18 | 151 views


O que você faz em catorze minutos? Slash sola…

 Com as duas passagens pelo estádio do Palmeiras após o retorno de Slash e Duff ao Guns ‘N’ Roses (novembro/16 e setembro/17), aplacou a ansiedade dos fãs em ver e ouvir o guitarrista tocando clássicos de sua banda principal quando por aqui excursiona com Myles Kennedy And The Conspirators (cenário oposto da estréia solo em abril/11, no então HSBC Brasil – hoje Tom Brasil – e das duas vindas prévias ao Espaço das Américas, em novembro/12 e março/15). Apesar disso, uma multidão, em idades variadas, rumou à Barra Funda com camisetas do Guns, mesmo sabendo que a vibe era mais hard rock e o setlist pautado nos três álbuns do outro grupo de Slash, por assim dizer, e em Slash (2010), sem nada das fases Slash’s Snakepit e Velvet Revolver.

Com aberturas de respeito no currículo recente, como para Sons Of Apollo (Tropical Butantã, abril/18), Accept (Carioca Club, outubro/18) e Bush/Stone Temple Pilots (Credicard Hall, fevereiro/19), além de participações nas últimas três edições do Rock In Rio, o República inaugurou os trabalhos às 20:27, três minutos antes do oficialmente estipulado, com a Intro usada no Parque Olímpico em 2017 e Black Wings, mas com sutil diferença: na Cidade Maravilhosa a boca do bebê se mexia no telão; no Espaço das Américas havia apenas seu rosto imóvel no bandeirão de fundo, na pele de bumbo e em dois banners laterais como decoração para Leo Belling (vocais), LF Vieira e Jorge Marinhas (guitarras), Marco Vieira (baixo – primo de Luiz Fernando) e Mike Maeda (bateria). Com vocal mais grave, ela até lembrou Double Talkin’ Jive, do próprio Guns, cantada por Izzy Stradlin em Use Your Illusion I (1991), mas aí mesmo cessavam as comparações. Seus músicos são competentes, as composições têm peso, o povo educadamente assistia, só que vida de open act não é moleza, pois simplesmente ninguém se mexia! Ao menos Death For Life, iniciada com Leo cantando de fora do palco, obteve resposta mais calorosa do público.

Provavelmente por desconhecimento da versão original, o ainda não gravado cover de Head Like A Hole (Nine Inch Nails) voltou a paralisar a massa, que não colaborou nem com o sincero apelo de Leo: “Me ajuda aí, São Paulo!”. Após aplausos, o vocalista fez pronunciamento mais articulado: “Muito obrigado! É um puta prazer estar aqui em casa. Foda!! Está sendo um tesão para a gente fazer esta tour com o Slash. A gente abriu para ele fora e na hora que ele fechou datas aqui e falou: ‘República, vocês topam rodar o Brasil com a gente?’, dissemos: ‘Estamos aí’. E tem novidade na área: single novo chamado Take It”, bem trabalhada e com começo melódico entre baixo, guitarra e bateria quebrada. Após fazer a divulgação das mídias sociais do grupo e prometer estar no merchan após a atração principal tocar, Leo anunciou Beautiful Lie e finalmente a galera resolveu cooperar com palmas, marcando o andamento. Antes de Endless Pain, mais pesada e arrastada, o cantor expressou o quanto era “bom estar entre amigos e família” e, após fazer agradecimentos, chamou El Diablo, única de Point Of No Return (2013) e saideira. A versão de Johnny Cash para Rusty Cage (Soundgarden) mal soou no sistema de som e foi abruptamente cortada pouco além das 21 horas, cravando quase trinta e cinco minutos de apresentação para os paulistanos.

Após meia hora, cumprindo horário à risca, um curto trecho de Ray’s Goodbye, décima quinta faixa da trilha sonora de Halloween (2018), ecoava pela casa, agora bem cheia, e bastou o primeiro dedilhar de The Call Of The Wild para os fãs delirarem. A decorar o palco, apenas a arte central de Living The Dream (2018) como bandeirão, sem as reproduções coloridas do fundo da capa, além da pele do bumbo de Brent Fitz inspirada em um clássico logotipo de marca de motos: com “Motor”, “Harley-Davidson” e “Cycles” respectivamente substituídos por “SMKC”, “Conspirators” e “Fitzy”, em linda reprodução com diferencial nas estrelas em laranja. Além dos citados a batizar o grupo e do baterista, com uniforme amarelo de nossa seleção, inteiravam o Slash Featuring Myles Kennedy And The Conspirators: Frank Sidoris (guitarra) e Todd “Dammit” Kerns (baixo).

Em nova explosão de gritos, Halo introduziu as faixas de Apocalyptic Love (2012) com Todd dando suas primeiras contribuições nos vocais de apoio. Do mesmo play vieram Standing In The Sun e a faixa-título, em marcante efeito de wah-wah. Com sua característica cartola e usando camiseta do Aerosmith, Slash evidentemente roubava a cena. Extraída de seu primeiro e auto-intitulado álbum solo de 2010, Back From Cali, cantada por Myles Kennedy em estúdio, foi reconhecida de imediato e trouxe rápida interação entre vocalista e platéia enquanto ele ainda a cantava (pena não ter sido possível entendê-lo claramente). My Antidote trouxe Living The Dream novamente à pauta (seus riffs ganchudos do começo não lembram uma locomotiva?) e, durante sua execução, Myles foi presenteado com algo que parecia uma bandeira. Ao fazer menção de pendurá-la em algum amplificador de palco, notando que teria trabalho e assim se desconcentraria, preferiu entregar o souvenir a um roadie. Também do álbum da turnê vieram o rock ‘n’ roll em estado puro de Serve You Right e a arrasa-quarteirões Boulevard Of Broken Hearts, bastante aplaudida e com lindo solo de Slash, de partir corações, com o perdão dos dois trocadilhos.

Shadow Life trouxe World On Fire (2014) ao set e depois dela nada mais seria como antes… Não pela canção em si ou pelo “Quero ouvir vocês gritarem”, do cantor, ainda enquanto a tocavam. Tampouco por mais um solo de arrepiar de Slash, mas sim porque, transcorridos trinta e cinco minutos de show em nove músicas, tudo seria reinventado. Na primeira mudança, após apresentações de parte a parte entre baixista e vocalista, Todd assumiu o posto de Myles oferecendo-lhe merecido descanso para o gogó. Ao anunciar o que viria, o carismático homem das quatro cordas foi enfático: “São Paulo, todos nós vamos morrer, então vamos ficar bem loucos”, aludindo a We’re All Gonna Die. Provando poder assumir o microfone quando não quiser mais tocar seu instrumento, ele seguiu no cargo em Doctor Alibi, mas com tamanha atitude que fez o show sair da mesmice, contagiou a galera e superou Rachel Bolan, do Skid Row, cantando e tocando baixo em Psycho Therapy no Hollywood Rock de 1992, em troca similar para que Sebastian Bach poupasse um pouco a voz. Como se não bastasse ter feito tudo isso, o cara agitou o povo com um “São Paulo, estão prontos? Pulem, motherfuckers!” e ainda provou ser muito gente fina ao vestir camiseta com a capa de Brutal & Beautiful (2017), prestigiando o República. Sujeito simplesmente encantador!

The One You Loved Is Gone trouxe mais novidades: o retorno de Myles; uma bela guitarra de dois braços, um dos quais com doze cordas, nos braços de Slash; e mesmo com todos no palco, as luzes brancas focavam na dupla. Momento mais tocante do set, ela foi efusivamente aplaudida em seu final. Após o vocalista checar se todos estavam se divertindo, ele foi além: “Não há nada que amamos mais do que ver as pessoas se comovendo e amando nossa música. Isso significa muito. Obrigado”. E se você pensa que não havia mais o que inventar, uma versão estendida de Wicked Stone fez o público agitar, bater palmas e dançar empolgado, melhorando o que já era bom com Slash inovando ao, na ausência de um coelho, tirar da cartola um magistral solo de C-A-T-O-R-Z-E minutos!!?!!??! Assim posto, parece trivial, mesmo sendo bem mais longo do que seus dois minutos em estúdio, somando-se dois solos. Mas, para melhor compreensão de seu efeito no calor do momento, considere que ninguém tinha como saber a duração de seu número ao vivo. Sem contar que ele foi feito com os músicos no palco, incluindo Myles dando uma força na guitarra e ajudando a segurar a onda enquanto os fãs, boquiabertos, ovacionavam o guitar hero por três vezes ainda com o solo em andamento e explodiam em êxtase com Slash concluindo-a de joelhos!

E aí cabe uma reflexão, por mera curiosidade: alguém imagina um solo assim longo em um show do Guns? Mesmo com mais de três horas de duração, o temperamental Axl Rose largaria tudo e partiria… Como conseqüência natural, as impressões temporais alteraram-se, fazendo Mind Your Manners e Driving Rain passar em dois piscares de olhos. Nem By The Sword, outra reconhecida de bate-pronto, a julgar pelos urros de aprovação, pareceu recolocar tudo em perspectiva, pois, somadas, as três bateram na casa dos treze minutos, nem de longe páreo para os dezoito de Wicked Stone. As coisas só voltaram ao normal com Nightrain, por razões óbvias, único cover do Guns na noite. Starlight, outra cantada por Myles em Slash (2010) foi iniciada com guitarrista e vocalista sentados lado a lado e levou uma fã ao lado deste escriba às lágrimas.

You’re A Lie veio a seguir e World On Fire seria a última antes do encore. Mas que última! Quase vinte e um minutos apoteóticos incluindo: a brincadeira entre vocalista e platéia que tem mais graça com Freddie Mercury; elogios sinceros de Myles ao público, ao imitá-lo (“Muitíssimo bem executado! Tudo isso foi muito divertido para nós. Vocês foram incríveis, absolutamente maravilhosos, lindos! Muito obrigado. Se puderem ser gentis em fazer barulho para a primeira banda da noite, o República, vamos lá! Agora um assunto sério: nós tocamos ontem à noite em Curitiba, fizemos divertida e longa viagem de ônibus para cá, ninguém na nossa equipe dormiu nada o dia todo e queria agradecê-los por montar tudo para um show tão bom para nós. Muito obrigado, amamos vocês, caras! Após o show, quero que descansem um pouco, mas tem a festa, hein?”); apresentação dos músicos com solo de Fitzy (se alguém ainda não botava fé em sua semelhança a um personagem de Harry Potter, ele mesmo assumira as evidências em tweet de 22/01/12 (19:06): “Verdade seja dita… Eu realmente sou Severus Snape!!”); e Slash provocando histeria: “Oi! Vocês são maravilhosos! Antes de eu prosseguir e me alongar, quero apresentar este cara especial, este magrelo filho da mãe aqui, o Sr. Myles Motherfucking Kennedy”, versão roqueira e cabeluda de Kevin Bacon, vestindo enigmática camiseta a estampar uma espécie de Mussum americano.

Voltando para o bis, Avalon constava no setlist de palco, mas não foi executada, cabendo a Anastasia fechar a noite. E enquanto os músicos se despediam, entregavam palhetas e baquetas, a versão de My Way do Sex Pistols rolava na discotecagem. Porém, como Slash e companhia não arredavam o pé, houve quem ainda criasse expectativa de que, surpreendentemente, rolasse algum bônus. Ledo engano… Após quase duas horas e quinze minutos, tudo se encerrava por volta de 23:40, com tempo suficiente para quem quisesse esticar a noitada de rock dando um pulo na Audio para a festa de 25 anos do lançamento do seminal álbum de estréia do Raimundos. Mais detalhes a dois cliques de distância!

 

Setlists

República

  1. xx) Brutal & Beautiful [Utilizada Como Intro]

01) Black Wings

02) Death For Life

03) Head Like A Hole [Nine Inch Nails Cover]

04) Take It

05) Beautiful Lie

06) Endless Pain

07) El Diablo

  1. xx) Rusty Cage [Johnny Cash] [Utilizada Como Outro]

 

Slash Featuring Myles Kennedy And The Conspirators

  1. xx) Ray’s Goodbye [Utilizada Como Intro]

01) The Call Of The Wild

02) Halo

03) Standing In The Sun

04) Apocalyptic Love

05) Back From Cali [Slash Song]

06) My Antidote

07) Serve You Right

08) Boulevard Of Broken Hearts

09) Shadow Life

10) We’re All Gonna Die [Slash Song] [Todd Kerns Nos Vocais]

11) Doctor Alibi [Slash Song] [Todd Kerns Nos Vocais]

12) The One You Loved Is Gone

13) Wicked Stone

14) Mind Your Manners

15) Driving Rain

16) By The Sword [Slash Song]

17) Nightrain [Guns ‘N’ Roses Cover]

18) Starlight [Slash Song]

19) You’re A Lie

20) World On Fire

Encore

21) Anastasia

  1. xx) My Way [Sex Pistols] [Utilizada Como Outro]
Notícias · Shows



Deixe seu comentário / Leave your comment





1 User Online
 
ONSTAGE - Official Website - All Rights Reserved 2017