ONSTAGE - Official Website - All Rights Reserved 2017-2021
Website by Joao Duarte - J.Duarte Design - www.jduartedesign.com

Ratos De Porão – La Iglesia Borratxeria – 03/12/21
Postado em 03 de janeiro de 2022 @ 23:08


Texto: Vagner Mastropaulo

Fotos: Flavio Santiago

Agradecimentos: Erick Tedesco

Após cobrirmos voluntariamente a primeira data de Descanse Em Paz (86) [https://onstage.mus.br/website/ratos-de-porao-la-iglesia-borratxeria-26-11-21], voltamos à La IglesiaBorratxeria devidamente credenciados a fim de resenharmos a sexta-feira de Cada Dia Mais Sujo E Agressivo (87) e a principal distinçãoa saltar aos olhos foi tudo parecer transcorrer em rotação acelerada, talvez em função do calor, embora soe contraditório, sem o ar condicionado dar conta. Além disso, é um tanto estranho comparar atuações e,se sobrou energia na semana anterior, desta feitapartimos com a sensação de termos testemunhado banda e fãs ainda mais motivados e a convicção de terem rolado menos gracinhas e causos – longe de ser algo ruim quando acontecem…

“Pontualmente” às 22:24, vieram ao palco, nesta ordem: Juninho (baixo), Boka (bateria), Jão (guitarra) e João Gordo (vocal), saudando a massa num curto: “E aí, porra?”. Na prática, todos sabiam o que viria: “TatooManiac”, retirando-se o característico barulho da agulha do play e tão matadora quanto, colada a “Plano Furado”.E se alguém,até então,desconhecia onde estava, duas pancadas bastaram para se situar, especialmente em meio aos berros de “Deu tudo erra-DO / Plano fura-DO”.

Gordo abriu os trabalhos: “Valeu! Nessa época aí, 1987, nós viramos mineiros. A gente foi lá para BH morar com o Sepultura: Rua Dores Do Indaiá 230, cara!E aí gravamos pela Cogumelo esse disco aí, cara. E aí, meu, virou traidor total, né? Os metaleiros do caralho! E é daí que vem esse som aí, ó: ‘Ignorância’”. Rápida pausa e nova interação: “Valeu! Cara, essa música é a que a gente mais tocou na vida, eu acho, né? Tocamos em milhares de shows! Milhares!! MILHARES!!!”, inaugurando o jogral na noite: “A apatia é grande”, gerando resposta coletiva em forma de “E a crise é geral” –dando a senha de “Crise Geral”, de final apoteótico!

Antes de “Morte E Desespero”, composição mais extensa da trinca inicial de full lengths, vendoo guitarrista em posse de uma linda Flying V preta, o frontman não se agüentou: “Olha o Jão, mano! Que traidor! É isso aí!”. Ao seu término, seguiu tirando onda: “Caralho que metaleirância, hein, mano? Ainda bem que, depois de amanhã, nós nunca mais vamos tocar essa música de novo! Vamos mudar o lado aí, do Lado A para o Lado B, vai? Que música que é?” e um gaiato cravou de bate-pronto: “Pensamentos De Trincheira”, de saborosa introdução na cozinha.

   Anunciando a sucessora, o vocalista vociferou: “‘Fossas negras / Doenças infectas’”, imediatamente tornando a zoar o companheiro segurando o destoante instrumento: “É muito metaleiro isso aí, João Carlos! Pode pegar a sua de volta. Só mais essa? Você jura? Prometeu, hein? ‘Peste Sexual’”, de fato a derradeira usando a comentadíssima Flying V.

“Sentir Ódio E Nada Mais” explicitou tremenda evolução na sonoridade dos caras, puxada e concluída praticamente em jams sensacionais, sob a ótica dos padrões punk, é claro. Duvida? Gordo a analisou: “Isso é muito heavy metal! Vai tomar no cu! É o ápice do heavy metal, isso aí, na nossa essência metaleira, né, João Carlos? É, não é? Ainda bem que a gente parou meio que por aí assim”.Restando poucas do álbum, ao apresentara próxima, ele soltou metade da letra: “O malandro está / Te esperando na esquina”: “Assalto Na Esquina”, bem mais brutal e esporrenta em relação ao estúdio e de duração menor do que você gastou lendo este parágrafo: treze segundos!

Duranteo belocomeço de “Não Há Outras Vidas”, Juninho fez um pedido verdadeiramente oldschool, a galera o atendeu acendendo isqueirose lanternas dos celulares e o frontman bagunçava a pré-performanceacústica do parceiro: “Agora complicou, hein?”. “V.C.D.M.S.A.” veio emendada e somada ao “Finalzão”, conforme descritono setlist de palco, ou “Ruídos& Distorções”, segundo um link do YouTube,assim empacotando o bolachão e passando o carro em trinta e cinco minutos, cada dia mais sujos e agressivos – perdão pelo trocadilho…

Dois minutos de “intervalo” eJãobrincou: “A gente tocou o disco inteiro aí, né? Bem ou mal, mas…”, enquanto Boka se exercitava em seu kit e a curiosidade residia em quais seriam as “bonus tracks”. O retorno deGordo selou o destino: “Gás lacrimogêneo…” e, na ausênciadocoro obtido sete dias atrás, ele próprioprosseguiu: “Bala de borracha na cara / No conflito violento / Desobediência civil! / Caminhando contra o vento, filho da puta, fascista, vai tomar no cu, vai pra puta que o pariu!!!”: a animal “Conflito Violento”!

E as pedradas se empilhavam: “Expresso Da Escravidão”, “Engrenagem” (é impressão ou o instrumental e oencerramento dela poderiam facilmenteconstar numagravação do Biohazard?) e “Crocodila”, aliando overso de abertura a um complemento espontâneo: “Traição pelas costas, não é assim que vou morrer. Não ando com filho da puta, ninguém vai me dar facada pelas costas. É… Sempre esperto com esses pilantras que aparecem, esses nazis, tá ligado? Esses punks de direita”.

Rumando aos finalmentes, proliferavam assolicitações: “Autoguerrilha”, “John Travolta”, “Agressão/Repressão”, “Beber Até Morrer”, “Não Me Importo”, “Nós Somos A Turma”, mas fizeram mesmoa dupla de covers “PureHate” e “Buracos Suburbanos”. A saideira? “Quando CiVuole, CiVuole!”, batendo na casa de quase uma hora de atropelo.

Contrapondo este show ao visto previamente, “Expresso Da Escravidão”, “PureHate” e “Buracos Suburbanos” surgiram respectivamente nos lugares de “Testemunhas Do Apocalipse”, “Red Tape” e “Desemprego”. Penúltima de outrora, “Suposicollor” foi sacada, reduzindo o total a dezoito cacetadas!O ponto comum, porém,consistiu na seriedade direcionada aos protocolos sanitários: verificação de ambas as doses da vacina e entrada obrigatória de máscara – uma vez no recinto já era uma realidadediferente e valia a consciência individual em mantê-la ou retirá-la do rosto.

Em breve, Brasil (89)!

 

Confira a galeria de fotos desse show:

 

Setlist

Cada Dia Mais Sujo E Agressivo (1987)

1) TatooManiac

2) Plano Furado

3) Ignorância

4) Crise Geral

5) Morte E Desespero

6) Pensamentos De Trincheira

7) Peste Sexual

8) Sentir Ódio E Nada Mais

9) Assalto Na Esquina

10) Não Há Outras Vidas

11) V.C.D.M.S.A.

“Bonus Tracks”

12) Conflito Violento

13) Expresso Da Escravidão

14) Engrenagem

15) Crocodila

16) Pure Hate [Poison Idea Cover]

17) Buracos Suburbanos [Psykóze Cover]

18) Quando CiVuole, CiVuole!

Confira o terceiro episódio da série de mini-documentários celebrando os quarenta anos do quarteto, agora sobre Cada Dia Mais Sujo E Agressivo.

 
ONSTAGE - Official Website - All Rights Reserved 2017-2021